Front in Floripa 2015

Publicado por Lívia Amorim e Leonardo Risch no dia dev

Logo do Front in Floripa 2015

No dia 5 de dezembro fomos à terceira edição do Front in Floripa – o maior evento sobre front-end de Santa Catarina. A Resultados Digitais foi apoiadora do evento que contou com 8 palestras sobre temas relacionados a área, como JavaScript, CSS e Web Animations. Além das nossas impressões, a seguir você confere o resumo e – para os interessados em aprofundar nos temas – alguns links de cada palestra.

Utilizando Concerns em Rails

Publicado por Leonardo Risch no dia dev

Distribuição de responsabilidades

Aqui na Resultados Digitais, trabalhamos com diversas integrações entre sistemas. Com isso alguns modelos podem ficar muito complexos, com muitas funções exclusivas de cada integração, dificultando a manutenibilidade do sistema.

O uso de Concerns se aplica quando queremos separar o contexto das funções dentro de Modelos. Foi essa estratégia que resolvemos adotar para reduzir a complexidade. Acompanhe a seguir.

A autenticidade de seus emails e a batalha secreta contra o SPAM

Publicado por Lucas André de Alencar no dia dev

Servidores de emails vs SPAM

O mundo dos emails é muito surpreendente. Antes de começar a trabalhar aqui na Resultados Digitais, enviar emails parecia ser uma tarefa bem simples e que dificilmente teria problemas. Porém, aprofundando mais no assunto, percebi que existe uma batalha acontecendo entre os servidores de emails e os spammers, que não transparece na superfície que enxergamos. Existem várias manobras e estratégias diferentes para evitar a proliferação de SPAMs pelas caixas de entrada dos usuários de email.

Há alguns meses criamos um time especializado em Email Marketing que tem como objetivo melhorar a entregabilidade dos emails de nossos clientes. Neste post, apresentarei algumas das técnicas que utilizamos para melhor garantir que os emails enviados por nossos clientes cheguem à caixa de entrada de seus contatos.

Do Apache ao Go: Como melhoramos nossas Landing Pages

Publicado por Gabriel Mazetto no dia dev

Apache

Sempre que fazemos melhorias de performance, antes de qualquer alteração, definimos formas de medição. Medir é importante para identificar qual solução é melhor ou ainda, se as modificações irão de fato melhorar o que já temos.

Recentemente, fizemos uma mudança grande na arquitetura de serviço que hospeda nossas Landing Pages, a qual chamamos internamente de Landing Pages 2.0. Na infraestrutura antiga, tínhamos um serviço simples. Um servidor Apache servia indiscriminadamente conteúdos estáticos.

4 aprendizados que tivemos no Interaction South America 2015

Publicado por Lívia Amorim e Simone Beltrame no dia design

Interaction South America 2015 Logo

Dos dias 18 a 21 de novembro aconteceu o Interaction South America 2015 (ISA 2015), maior evento sobre Design de Interação, Experiência do Usuário, Tecnologia e Informação da América Latina. O evento foi sediado em Córdoba, Argentina, e teve a presença de palestrantes de peso, como Stephen P. Anderson (autor do livro Seductive Interaction Design), Cindy Chastain (Customer Experience Designer na MasterCard), Christian Rohrer (Vice-presidente e Chief Design Officer na Intel Security), Russ Unger (co-autor dos livros A Project Guide to UX Design e Designing the Conversation), Jason Severs (Diretor Criativo Executivo na Frog), Jesse James Garrett (cofundador e Chefe criativo na Adaptive Path), entre outros.

Ruby e RSpec: melhorando a legibilidade de seus testes

Publicado por Luiz Cezer Marrone Filho no dia dev

Legibilidade dos specs

Durante o desenvolvimento de software é importante que a equipe se mantenha focada nas entregas, escalabilidade, performance, usabilidade e também na legibilidade do código que está sendo escrito.

Código bem escrito e testado implica em facilidade de manutenção, código menos engessado e uma maior flexibilidade para futuras mudanças. Porém, de nada adianta um código bem escrito e testado se a codificação dos testes é ruim. A qualidade aplicada para escrita de código de produção também deve se estender à qualidade da codificação dos testes.

Fazendo o uso correto das estruturas do RSpec e com o padrão Four Phase Test é possível melhorar a legibilidade dos testes.